sexta-feira, 17 de março de 2017

Amor não é apenas gratidão. Favor não confundir.

Obs.: O post não é especificamente sobre The Vampire Diaries, mas eu uso como exemplo.

Obs. 2: Pode conter spoilers de todas as temporadas da série. Se você não viu até o fim e não quer saber o que acontece, leia o texto de olhos fechados.

Obs. 3: Eu sei que nos livros nem existe Delena e que na série, não fosse pela saída prematura da Nina, Stelena seria endgame. Mas não foi, né? Então nada de fanboyzar nos comentários.

Obs. 4: TVD à parte, temos spoilers de 500 Days of Summer para dar e vender. Não sei se ainda existem pessoas que não sabem como o filme acaba (acho que isso não é possível), mas tá aí o aviso.


Ao longo desses oito anos de The Vampire Diaries, sempre houve uma rixa enorme entre quem shippava Elena com o Stefan e quem gostava dela com o Damon. O triângulo amoroso foi explorado na terceira temporada, começo da quarta e teve seu fim definitivo na quinta, quando explicações foram dadas e Stelena passou a conviver apenas como os bons amigos que eram.

Dentre os argumentos dos que torciam pelo Stefan, além da justificativa dos livros e de Delena ser "fanservice" (a gente sabe, mores), estava a persistente ideia de que o Stefan fazia de tudo pela Elena e ela era cega por não perceber isso.

E era exatamente aí que eu queria chegar.

Deixando de lado o paralelo com TVD, existe um filme que retrata bem o ponto que eu estou tentando fazer. Em 500 Dias com Ela, Tom e Summer vivem um relacionamento um tanto complicado em que cada um queria algo diferente. Tom era completamente apaixonado por ela e buscava constantemente um algo a mais. Summer não queria o algo a mais e gostava dele, só não tanto assim.

Quando as coisas começam a ficar sérias demais, o relacionamento desandou. Summer ficou completamente infeliz ao ceder para dar ao Tom o que ele queria. Apesar do filme mostrar isso, que alguns casais simplesmente não são meant to be, ainda existem fãs que acreditam que eles deveriam ter ficado juntos no final.

Agora voltamos para Vampire Diaries.

Stefan, sim, sempre fez de tudo pela Elena. Ele moveria montanhas se ela precisasse. Mas por que isso significa que ele era o único que amava ela e, portanto, que Elena era quase que obrigada a ficar com ele?

Qualquer um faz sacrifícios pelas pessoas que ama e, pasmem, muitos fazem sem esperar algo em retorno. Stefan nunca se sacrificou por ninguém porque queria a gratidão dos outros, e sim porque era parte da personalidade dele. Tudo o que ele fez pela Elena (e pelo Damon, diga-se de passagem) foi por amor a eles.

Elena nunca foi obrigada a ficar com o Stefan pelo que ele sentia por ela ou pelo que ele fazia por ela, assim como a Summer também não era. Gratidão e amor não são necessariamente a mesma coisa. Amor e paixão não precisam andar juntos. Você pode amar alguém por quem ela é e pelo que ela faz, mas isso não te obriga a estar apaixonada também. Não existe um Contrato Universal dos Apaixonados que te obrigue a permanecer apaixonada pelo cara só porque ele criaria unicórnios com as próprias mãos pra te fazer feliz.

A verdade mais clichê de todas é que não se manda no coração. A gente não escolhe a dedo por quem vai se apaixonar, e a gente também não controla quando isso vai acontecer. Elena não conseguiu se obrigar a parar de amar os dois irmãos, e não pôde fazer nada quando percebeu que já não estava apaixonada por um deles. E a Elena (tirando todas as partes sobrenaturais e o excesso de tragédias) pode ser qualquer um de nós.

O que eu quis dizer com tudo isso é: ninguém é obrigado a nada. A ideia de que mulheres devem ficar com o cara legal, maneiro, sensacional que faz de tudo por elas é ultrapassada. O pensamento de que o cara legal, maneiro, sensacional que faz de tudo pela mulher só para levá-la para a cama chega a ser desprezível. Sacrifícios por amor devem ser feitos por amor, não por interesse. Afinal, é um sacrifício, não é? Se fosse para conseguir algo em troca a denominação correta seria negócio.

Desejo de todo o meu coração que essa história de querer obrigar a mocinha a ficar com o mocinho porque parece o certo seja colocada para trás. É fofo, é romântico e tudo o mais, mas não é real. Chega de culpar a menina por ter se apaixonado "errado", né? As coisas acontecem como elas devem acontecer. Não existe um interruptor no coração que te permite desligar e ligar seus sentimentos de acordo com o que você pensa ser o mais inteligente a se fazer. 

A gente tem a sorte de poder se apaixonar e quebrar a cara, não vamos desperdiçar isso tentando controlar sentimento com razão. 

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

... Feliz ano novo.

Feliz ano novo, pessoal!

Percebi que a retrospectiva de 2016 causou uma pequena confusão em leitores novos, então vou explicar um pouquinho para esclarecer as dúvidas. 

Desde 2016 eu tenho o costume de fazer um especial de ano novo composto (normalmente) por dois posts: Adeus ano velho e Feliz ano novo. No segundo eu estabeleço metas para o ano e no primeiro eu faço uma retrospectiva retomando aquelas metas presentes no primeiro post do ano. Na retrospectiva do ano passado eu notei que algumas pessoas acharam que aquelas eram minhas metas para 2017, mas eu estava apenas retomando as feitas para 2016, mesmo.

Quem quiser ver mais desse especial, pode só entrar na tag. Aviso aos navegantes: não é uma boa ideia ler o de 2012. Não me façam dizer i told you so.

Agora vamos ao que interessa.

Essa lista de meta foi bem mais complicada do que as antigas. Todo ano esses dois posts ficam prontos em meados de dezembro, porque eu sou a mulher mais ansiosa do mundo e não aguento esperar até a virada pra começar a pensar no ano seguinte. Acho que 2016 foi tão cansativo e pesado que eu passei tempo demais descansando e esqueci que o dia de amanhã ia chegar.

Fiquem com minhas lindas metinhas para o que eu espero ser o melhor ano da minha vidinha.


2. Falar menos, fazer mais

3. Não deixar que a ansiedade pré-vestibular me consuma

4. Não desistir de nada em função do vestibular

5. Me divertir

Decidi deixar simples porque sei que coisas concretas demais não fazem a devida diferença. Você pode ler x livros, beber y litros de água por dia e fazer cronograma capilar; nada disso vai contar. Não é disso que você vai lembrar daqui a 10 anos, quando resolver pensar nos tempos antigos. 

Uma coisa que 2016 me ensinou (talvez um pouco tarde demais), é que experiências contam muito mais do que coisas cotidianas. Aquelas horas que você passava na cadeira na aula, e as conversas que você tinha todas as manhãs com as mesmas pessoas, infelizmente, não vão ficar pra sempre. O retiro que vocês fizeram no meio do ano vai. O voluntariado de janeiro vai. A viagem de novembro vai.

A gente passa tempo demais tentando construir memórias no dia a dia, mas as memórias que ficam são as que a gente faz sem querer querendo. São as experiências diferentes, justamente o que sai do cotidiano, que nos marcam pra sempre.

Não vou colocar como uma meta, mais como algo que eu espero para esse ano: simplicidade. Que a gente possa fazer o que está no nosso alcance e não tente ultrapassar nossos limites.

Um bom 2017 a todos!